Dieta dos 21 Dias

Plantas Que Curam

Jarrinha

Aristolochia cymbifera

Um planta abundante em grande parte do território brasileiro, é uma das ervas mais curativas que existem, utilizada muitas enfermidades como gota, feridas e até convulsões.

Descrição: Da família das Aristolochiaceae, também conhecida como capa-homens, cassaú, cassayú, cassa-yú, cipó-mata-cobras, cipó-mil-homens, jarrinha, jarro, mil-homens, papo-de-peru, papo-de-galo, raiz-de-mil-homens.

Planta volúvel, herbáceaou lenhosa, trepadeira sem gravinhas. As folhas são orbiculares, reniformes e de pecíolo longo com estípulas. As flores são solitárias, uniflores, grandes e de odor desagradável, próprio para atrair insetos, principalmente as moscas varejeiras e outros, que são agentes polinizadores. O fruto é uma cápsula que se abre formando uma cesta com numerosas sementes. Elas são liberadas com o vento ou quando o fruto apodrece. Reproduz-se por sementes ou por estacas de galho. Sendo uma planta invasora, desenvolvendo-se em todo tipo de solo, em clima tropical.

Parte utilizada: caule, rizoma, raízes, parte aérea.

Indicações: Afecções da vias urinárias, afecções nervosas, amenorreia, asma, ataques nervosos, cicatrização de feridas, convulsão histérica, convulsões epilépticas, diarreia rebeldes, dispepsia, dormência, engorgitamentos dos testículos, enxaquecas, estimular a menstruação, febres intermitentes, flebites varicosa, flatulência, gangrenas, gota, hemorroida, hidropsia, histerias, neurastenia, nevralgias, orquites crônicas, paralisia, picada de cobra, picada de inseto, prostatite, reumatismo, sedativo nas histerias, úlceras, varizes.

Origem: Brasil, é encontrada principalmente das Guianas até os estados de Minas Gerais e São Paulo.

Modo de Conservar: Os caules fatiados em pedaços pequenos, bem como as folhas, devem ser secos ao sol. Armazenar em sacos de papel.

Plantio: Multiplicação: reproduz-se por sementes ou estacas de raízes ou rizomas;

Cultivo: planta brasileira que ocorre do Amazonas até São Paulo. Não tem preferência por solos. Seu plantio pode ser feito a qualquer época do ano, mas prefere o início da primavera. O espaçamento é semelhante ao descrito na abutua, por ser uma planta trepadeira, onde se usa principalmente a raiz e o caule (cipó);

Colheita: colhem-se principalmente as raízes e parte do caule próximo às raízes. Também pode-se usar as folhas verdes ou secas

Princípios Ativos: amido, mucilagem, óleo resinosa, substância amarga, sais inorgânicos, tanino.

Propriedades medicinais: anti-hemorroidal, diaforético, diurético, emenagoga, estimulante, tônico.

Contraindicações/cuidados: em doses elevadas produz efeito drástico e vomitivo, "embriaguez aristolochica" (náuseas, dejeções iterativas, sem que as fezes sejam líquidas, pulso frequente e cheio, sono agitado e perturbações da inteligência). Pode ser abortiva.

Modo de usar:

- As raízes no século XIX, reduzida a pó era empregada na dose de 0,50-1 g. Para adulto, três vezes ao dia.

- A infusão de 6-8 grs para 300 ml de água fervendo é empregada aos cálices ou as colheres

- A alcoolatura feita com uma parte de raiz fresca para duas de álcool de 40ºC, e a tintura de uma parte de raiz ou de rizoma seco reduzido a pó grosso para 5 de álcool de 36C, depois de macerado 6 dias emprega-se na dose de 1-12 g por dia, em água pura ou açucarada.

- A tintura etérea preparada com uma mistura de álcool e éter sulfúrico, é usada na mesma dose.

- O extrato alcoólico é usado na dose de 5 centigramas até 1g, algumas vezes ao dia, em pílulas ou em porções.

- O vinho é preparado macerando-se 30-60 g de raiz em pó com 1 litro de vinho branco ou com 50 g de extrato fluído para 950 ml de vinho, usado na dose de 4-6 cálices por dia.

- A infusão fraca das folhas frescas é usada em loções nas oftalmias.

- Na mordedura de cobras dá-se o suco das folhas ou das raízes frescas, na dose de 1 cálice de hora em hora ou de ½ em ½ hora conforme a gravidade da intoxicação ofídica, aplicando-se também no local da mordedura um cataplasma feito com as folhas contusas ou suco da raiz o que produz cura quase momentânea.

- A tintura tem efeito excelente na malária, faz cessar as febres, desperta o apetite e combate a discrasia consecutiva aos efeitos da malária. No caso das febres intermitentes emprega-se a tintura na dose de 3 colheres das de chá por dia, em um cálice de água açucarada.

- Como tônico, a tintura é usada na dose de 1-2 g. De manhã, meio dia e a noite, em um pouco de água com açúcar.

- Extrato fluído até 3 g.

- Infusão 10:150, em 4 doses por dia;

- tintura a 1:5 cc álcool a 60C; dose até 8 g nas 24hs.

Bibliografia:

_Livro verde das plantas medicinais e industriais do Brasil: Descrição das plantas medicinais, industriais, comestiveis, tóxicas e venenosas; suas curiosidades históricas e lendas, Volume 1 - Velloso, 1965.

LORENZI, Harri, Francisco José de Abreu Matos., Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas - Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2002. ISBN 85-867414-18-6. Página 78.

JÚNIOR, Ademir Barbosa., Guia Prática de Plantas Medicinais, descubra o que os vegetais podem fazer pela sua saúde- Universo dos Livros Editora, São Paulo, 2005 , Página 17

Ouça ou compre boas músicas nos serviços de abaixo:

Ouça boas músicas na Amazon Compre boas músicas na Apple Music OUça boas músicas no Deezer Ouça boas músicas no Google Play ImmubOuça músicas alternativas no Palco MP3 Ouça artístas alternativos no SounCloud Ouça Boas Músicas no Spotfy Ouça Rádios no Tunein Ouça Tudo no Youtube


Copyright © 2018-2019 @ Heitich Media Digital

318 798